1.10.2010

Corpo







O corpo morto em minha cama
não mais inflama-me em esplendor.

Sinto o calor do corpo,
mas não sinto amor.

O corpo ereto mira o teto
eu longe, ele perto
sinto dor.

O corpo incerto,
traidor abjeto,
feriu-me tanto.
deixou-me o coração aberto
tornou-me pranto,
murcha flor.

Agora perde-se o enquanto
estou envolta em lúdico manto
tua boca não gera-me mais calor.

Mecânico ato que  carente acato
mas é como um desenho sem cor
amor oco, pouco, em triste torpor.










2 comentários:

Francisco Libânio disse...

Bem, muito obrigado pelo simpático elogio. Blogue seguido e recomendado no Poesias. Apareçam sempre

Jorge Xerxes disse...

Ana, uau... Belo Poema Esse Seu "Corpo"! Um Beijo, Jorge X

Quem sou eu

Minha foto
Eu sou o fio que liga os pensamentos... o cio dos momentos de afeto... sou o furo no teto... que deixa ver as estrelas... sou a última... não as primeiras... fico no fim da sala... acalmando a alma... que não cala... silenciosa em desatino... sou as palavras sem destino... voando pela goela... sou a alma que berra... o sentimento insano... sou boneca de pano... na infancia da pobreza... sou o louco que grita... as verdades para a realeza... é sou eu... espelho torto do mundo, amor de Prometeu, fogo ao homem, fome de pássaro pontual e solução de caduceu...